Por que você deve separar as finanças pessoais das contas da empresa?

-
10/04/2019

Não separar as finanças pessoais da empresa é um péssimo hábito de vários empreendedores, capaz de afetar o orçamento e causar prejuízos sérios para o negócio. Isso pode, por exemplo, atrapalhar a identificação de como os recursos estão sendo gastos, impedir o crescimento, causar falta de visibilidade em relação à realidade interna das despesas e até a suspensão das atividades.

Para ajudar você com isso, trouxemos neste post os principais motivos pelos quais essas finanças não podem ser misturadas, bem como as formas de evitar que esse problema aconteça. Acompanhe!

Quais são os prejuízos de não separar as finanças pessoais da empresa?

Na maioria das vezes, isso acontece quando os empresários não conseguem diferenciar o que é dinheiro particular e o que faz parte do caixa da companhia. Também pode ocorrer por falta mesmo de conhecimento sobre boa gestão financeira — assim, quando percebem o erro, já estão com dívidas enormes. De toda forma, os riscos que se corre são grandes. Vejamos os principais deles:

Impossibilidade de compreender a lucratividade do negócio

Caso não tenha uma visão clara dos lucros da sua companhia, você não saberá se o negócio é rentável ou se está gerando renda só para o pagamento das contas. Isso atrapalha a tomada de decisões acertadas, com foco na expansão do negócio.

É necessário ter um monitoramento preciso de todas as receitas e despesas, que pode ser feito por meio de relatórios com dados confiáveis.

Escassez do fluxo de caixa em períodos difíceis

Diversos fatores econômicos, políticos e sociais impactam o poder de compra dos consumidores, de forma que, às vezes, o negócio acaba lucrando menos. O dever de pagar as mesmas despesas, contudo, permanece.

Por isso, é fundamental que a instituição possua uma reserva no fluxo de caixa, para ser utilizada em situações inesperadas ou períodos em que não se atinge a lucratividade desejada. E, se você não separar as finanças pessoais da empresa, honrar esses compromissos pode ser um desafio, sendo preciso recorrer a empréstimos que ainda aumentarão o débito.

Falta de pagamento aos fornecedores e colaboradores

Esse descontrole do fluxo de caixa também pode afetar o pagamento dos colaboradores e fornecedores. Assim, é possível que você deixe de contar com serviços essenciais para o pleno funcionamento e execução das suas atividades — além de garantir problemas na justiça, considerando que inadimplência e dívidas trabalhistas são falhas graves para qualquer empresário.

Desvantagem competitiva

Por outro lado, pagar fornecedores ou funcionários com o próprio dinheiro pode se tornar uma preocupação a longo prazo. Isso porque gera-se uma falta de lançamento do montante na contabilidade da organização, resultando na precificação do produto com custo abaixo do real.

Seus consumidores ficarão satisfeitos se você cobrar menos, mas quando for verificar os lucros você verá os valores não vão bater — afinal, saiu muito mais dinheiro do que entrou. Com o tempo, isso torna o negócio cada vez menos competitivo.

Como separar as finanças de forma correta?

Algumas estratégias devem ser adotadas para se fazer essa separação. Confira, então, quais são elas!

Estabeleça um valor fixo para você

O empresário deve ser visto como mais um trabalhador da empresa, tendo assim uma quantia mensal (pro labore) para manter suas despesas pessoais. O restante do capital obtido pela instituição deve ser aplicado em melhorias ou ser guardado como reserva. Evite tratar o montante a mais como um lucro extra a ser acrescentado no seu salário.

Tenha contas bancárias diferentes

Ter contas bancárias separadas — uma para a empresa e a outra pessoal — também facilita bastante a organização das finanças e o entendimento de onde se deve retirar os valores quando for necessário realizar qualquer tipo de pagamento.

Conte com um software de gestão

Contar com um sistema específico garante um controle bem mais preciso do seu fluxo de caixa, e existem hoje vários modelos disponíveis no mercado. Entre suas funcionalidades estão a categorização de receitas e despesas, o entendimento dos custos em cada setor, a identificação de gastos em excesso etc.

Por fim, vale ressaltar que separar as finanças pessoais da empresa é algo que deve ser feito rotineiramente, fazendo parte da cultura organizacional. Então, coloque estas dicas em prática e evite erros que podem ser fatais para o desenvolvimento e o sucesso do seu negócio!

Gostou deste post? Aproveite para curtir a nossa página no Facebook e fique por dentro de todas as próximas publicações e compartilhamentos!

Compartilhe:

Que tal conversar sobre
Planejamento Contábil?

Agende uma visita com a nossa equipe de especialistas.